Série Encontros Inusitados: A morte

Do nada, um sujeito sentado à minha frente: "Sou a Morte, vim te buscar, vamos embora que meu dia está cheio".

"Deve ter algum engano, tomo duas taças de vinho por dia, confesso que passo de duas taças vez ou outra, mas não muito. Pratico esporte, como chocolate no minímo 70% cacau. Não posso morrer, logo agora que consegui comprar um Vega Sicília. Volte um outro dia, não precisa ter pressa".

"Meu querido você acha que eu, a Morte, sou igual a promessa de campanha política que dá pra ir adiando?"

Pedi pelo menos que abríssemos a garrafa do Vega Sicília. A Morte se interessou e perguntou a safra.

Fiz a proposta de tomarmos com outros vinhos, às cegas. A Morte hesitou: "Não sei ...esse negócio de vinho quem entende é o Filho, até saiu na Santa Ceia".

Insisti que eram 5 taças e a Morte aceitou. Claro que não disse a ela que eram 5 taças do estilo Grand Cru, aquelas grandonas...mas isso era detalhe.

Peguei os 5 vinhos e enchi as 5 taças enormes.

Pra esquentar o jogo, propus uma aposta, cada vinho que a Morte acertasse eu pagaria com uma garrafa da minha adega e cada erro me daria um mês a mais de vida.

A Morte bebeu o primeiro vinho, bochechou, bebeu a taça inteira e disse categoricamente: è o Mvndus. Era um porto LBV da Taylors que aliás está pela hora da morte.

Na segunda taça, que tomou de um gole só, garantiu com a lingua começando a enrolar que era um Cabernet Franc. Era um espumante brut, mais um ponto pra mim.

Na terceira disse que era um Catena. Perguntei se era um Catena Argentino ou de exportação, e como isto só Deus e Nícolas Catena sabem, perdeu outra.

Na quarta taça disse que era um Châteauneuf de Pape mas era um Casillero Del Diablo, e foi perto já que ambos são do mesmo ramo.

Servi a quinta e última taça quando a Morte replicou: "Proponho o dobro ou nada" Topei apertando sua mão, gelada e magra, pra selarmos o acordo. Não satisfeito, a Morte subiu na cadeira, botou o pé na mesa e gritou com um sotaque caipira: "Truco papudo! Agora te peguei porque como até agora você não serviu o Vega Sicília, só pode ser ele" .

"Olha aqui, você chega sem mais nem menos, feio como o Bin Laden dizendo que é a Morte e acha que eu vou te servir um Vega Sicília? Nem morto".

Ganhei dois anos de vida e a Morte, desolada, foi embora.

Minutos depois escutei um barulho de batida, olhei pela janela e vi que um Fusca acabara com uma Mercedes. Desci até a rua e vi a Morte, algemada, fazendo o teste do bafômetro. Pediu cem reais emprestados pra pagar a fiança mas devido as circuntâncias do momento teve que me conceder mais um ano de vida.

Não sei se era a Morte mesmo ou um maluco mas com certeza não só era uma negação em vinho, como era tambem muito fraco pra bebida.

4 comentários:

PreDatado disse...

Jogada de mestre. Eu sabia que você não iria servir o Vega Sicilia para Ela. E a outra? A anterior? Comemoraram com quê?

Zainer Araujo disse...

Sem dúvida um champagne ! :))

A Senhora disse...

O Pré me disse o preço do Vega Sicilia - fiquei chocada! Eu não o compraria nem morta!!! :))

beijocas

Zainer Araujo disse...

Mas aposto que seria viva para não recusa-lo ;)

Vale a pena experimentar