Uma pausa para o café


Já são quase 20 horas de uma noite chuvosa em São Paulo, acabei sair de uma entrevista de trabalho e resolvi me dar um presente: Além de vinho adoro café e fui tomar um onde o expresso simples custa cerca de US$4,00, enquanto em qualquer cafeteria você consegue um expresso decente por menos da metade disso.. Mas de tempos em tempos acho que faz bem se entregar a alguns prazeres desse tipo.

Estressado e com sono, encostei-me numa das mesinhas do charmoso café em uma elegante rua dos Jardins e pedi um expresso bem tirado e enquanto eu apreciava os aromas desse expresso perfeito, olhei para o outro lado da rua. Foi aí que vi o Kiefer Sutherland , o Jack Bauer da série 24 horas.

Atravessando a rua, de jaqueta jeans preta, sem os óculos escuro e aparentemente desarmado, Jack Bauer andava tranquilamente fumando um cigarro e conversando com algumas pessoas. Olhei em volta, procurando os terroristas ou o pessoal da CTU ou do FBI. Não estavam à vista. Provavelmente porque o perímetro deveria estar cercado.

Ele entrou na cafeteria, fugindo da chuva e de alguns jornalistas. Sentou-se em uma mesa próxima à minha e eu estiquei os ouvidos pra acompanhar a conversa. Claro, ali poderia ser decidido o futuro dos Estados Unidos, o fim dessa crise maluca, ou talvez estivessem combinando uma execução sumária, sei lá. No entanto, eles só pediram café. O de Jack Bauer era um Kopi Luwak ou Café Civet.

Stop the press !!! O Kopi Luwak é feito de maneira muito inusitada. Em algum país asiático, como a Indonésia ou a Malásia, certo animal silvestre faz dos melhores grãos de café sua dieta especial. O tal bicho cata os melhores grãos e os come com a finalidade de fazer seu sistema digestivo funcionar. Aí, com os movimentos peristálticos em dia, essa figura defeca os grãos inteirinhos. A população local cata os tais grãos, separa, lava, esteriliza. Estes grãos são então torrados e vendidos como um dos melhores cafés do mundo. Uma xícara do tal café custa mais de US$10,00. O quilo fica na casa dos US$500,00.

Enfim, Jack Bauer pediu o tal café. Demorou um pouco, mas ele nem apontou a arma pro garçom nem nada. Tem gente que em situações de pressão come mais. Outros tendem a beber ou ainda ter tiques nervosos. Jack Bauer, por exemplo, tem um tique: em caso de nervoso, ele aponta a arma e grita: DAMMIT ! E aí coisas acontecem. Mas acho que ele está fazendo terapia e talvez tenha trocado o uísque pelo vinho porque mesmo demorando um pouquinho, ele nem gritou. O café chegou depois de um tempinho e ele tomou com cara de feliz. E ainda comeu uma torta toda enfeitada. Meio gay eu diria... mas era o Jack!

Enquanto isso, eu tomava meu café, demorando horas. O café no fim e eu fascinado com o café de cocô do Jack Bauer. Eu olhava fixamente e morria de rir por dentro, imaginando se ele sabia o que estava bebendo. Minha vontade era dizer:

- Jack, you´re drinking coffee made out of shit, do you know that?

- What??? DAMMIT! Everybody down, now! Now! NOW!!!!!

Aí ele sai atirando e tal.

Depois de algum tempo, os garçons arrancaram a xícara vazia de meus dedos já dormentes e tentaram me oferecer mais café, mas eu não tinha dinheiro pra pagar outro daqueles e então achei melhor voltar pra casa sem mencionar a origem do café pro Jack Bauer e nem me arriscar a pedir uma foto ao lado dele..

3 comentários:

A Senhora disse...

Oh, céus! Café de coco??? :))))
E aquele preço??
Nem eu, que sou louca por café!

beijinhos

Denys Roman disse...

Além do Kopi Luwak, temos a versão brasileira o Jacu Bird Coffee, o seu post me fez lembrar de um vídeo do Globo Rural e aproveitei para publicar uma matéria no nosso site e Twitter incluindo vídeo do Globo Rural sobre o assunto.

As notas de degustação foram curiosas:

notas da degustação:

- Bom corpo
- Baixa adstringência
- Equilibrado
- Complexidade
- Leveza

http://is.gd/1M5tD


Um brinde aos sabores nacionais.

Denys Roman
www.caveantiga.com.br
www.twitter.com/caveantiga

Zainer Araujo disse...

É isso ai Denys ! Parabens pelo seu blog e pela materia

Vale a pena experimentar