O lado negro do vinho


Depois de tanto tempo sem publicar no blog, acho que pode ser interessante abordar o que pode ser chamado de “O lado negro do vinho”.

Por exemplo, nos cursos de vinho para iniciantes geralmente é tudo bonito e mágico: Pode apostar! Isso faz sentido, afinal de contas, enfatizando o que poderia ser chamado de "buracos na estrada" seria no mínimo pouco animador, não é?

No entanto, há momentos em que os novatos devem ser informados, por isso vou tentar desmitificar mais esse ponto nesse mundo enogastronomico que cresce a cada dia.Claro, não há tal coisa como uma "verdade", principalmente quando falamos de vinho, mas acredito que algumas afirmações clamam por uma análise mais isenta.

Não olhe para os pontos nas revistas. Olhe para o degustador do vinho.
Se você usar pontuação na decisão de quais vinhos tomar, e eu acho que no começo é até interessante seguir as análises, então é melhor prestar atenção nas particularidades do palato de quem deu essa pontuação. É por isso que revistas como a famosa Wine Spectator sempre especifica o provador. (E é por isso que você deve evitar "painéis de degustação", que são na verdade ferramentas de marketing.) Notas não surgem do nada. Elas vêm de alguém e em um campo onde há um elevado grau de subjetivismo estético como a arte, música e o nosso vinho, é importante considerar quem está fazendo a avaliação.

As degustações em lojas de vinho., por maior e mais rica em rótulos que seja, são tendenciosas,por isso lamento informá-lo que se você investir sua confiança em tais credenciais, não importa qual, então você foi enganado. Muitas vezes as pessoas e lojas que adquirem tais credenciais são na verdade modelo de teste de compradores.

Isenção é a palavra chave aqui. Preste menos a atenção na pontuação e mais no degustador.

Nunca confunda “degustar vinho” com” beber vinho”.
Em seu livro "Os Problemas da Filosofia", Bertrand Russell fez uma famosa distinção entre o que ele chamou de "conhecimento por descrição" e "conhecimento direto". De nossa própria forma, nós os amantes do vinho lidamos com o desafio de que os filósofos chamam de epistemologia da natureza do conhecimento.

Com vinho, na verdade existem três categorias: "conhecimento por descrição" (ler notas de prova de degustações),"conhecimento direto" (o que nos é mostrado em uma degustação), e que poderia ser chamado "conhecimento pela exposição" (o que podemos aprender de verdade bebendo um vinho, de preferência com alimentos e com outros amantes do vinho e amigos ).

Hoje, estas distinções foram embaralhadas. As tão crescentes "Degustações virtuais" tem enganado alguns amantes do vinho fazendo pensar que eles "sabem" de um vinho por causa de notas de outras pessoas que estiveram na degustação seja em blogs, revistas e boletins informativos.

É fácil ver como esse tipo de fingimento do conhecimento é um disparate. O que é muito mais difícil de reconhecer é que, mesmo quando você realmente prova um vinho, seu conhecimento pode ser do tipo mais superficial. Isso acontece com todos e a todo momento, independente da milhagem.

Mas aqui está a questão: Se seu conhecimento de um vinho, uva, terroir ou país em questão é mínima então é comum para a maioria das pessoas olhar para os números do vinho,mas o problema real vem do que poderia ser chamado de "distorção do contexto."

Eu já dei algumas aulas e fiz várias degustações orientadas e estou aqui para testemunhar que eu (e qualquer outro professor e orientador) pode configurar uma série de vinhos que irá convencê-lo, sem um pingo de dúvida, que um vinho é melhor do que o outro. Grandes vinhos são geralmente criaturas de sutileza considerável e podem ser feitas para olhar, digamos, mais enfaticamente os vinhos menos favorecidos.

Aqui está o ponto:. Nunca confiar plenamente no "conhecimento direto", isto é, o que você perceber a partir de uma amostra em uma degustação. É algo que vale a pena, com certeza. Vá sempre ao maior número de degustações que puder, mas na maioria, é apenas um guia para o que você deve investigar mais e melhor, com calma, para alcançar o "conhecimento pela exposição."

Degustação de vinhos podem ser, e são, normalmente enganosas. Você acha que adquiriu profundidade só por causa da quantidade. Mas muitas vezes, o resultado é uma distorção. Isso acontece mesmo com os melhores degustadores profissionais, pessoas que são usadas para a degustação de vinhos em quantidade substancial e são treinadas a compensar tal distorção, lutam conscientemente contra esse efeito.

Como diria um monge mestre tibetano (em um filme do Bruce Lee que passou na Record antes da Sala Especial ;) ): "Eu não temo os 10.000 golpes que tive usar uma única vez; temo o golpe que tive que praticar 10.000 vezes antes de usa-lo."

5 comentários:

Fatimawine disse...

Excelente, pedagógico e formativo.
Quanto mais degusto menos sei,...
De facto, saber, é um verbo que se conjuga no "singular" .
Parabéns.

Mauro Souto disse...

Muito bom, como sempre e principalmente autentico e questionador. Sabemos que muita gente e entidades desse universo do vinho se incomodam com essas opnioes ,mas sao textos como esse que fazem as areas, jornalisticas e vinicolas, caminharem rumo ao desenvolvimento.

Quero aproveitar e parabenizar pela apresentacao dos espumantes nacionais na semana passada.

Ana disse...

Como uma novata descarada, eu realmente concordo com tudo o que você disse aqui.

Pontuações podem ser muito úteis, como você descreve. Mas eu realmente vim a perceber que quem está dando a pontuação faz uma grande diferença. Cerca de 90 vinhos de pontuação maiores deixaram-me indiferente frente a eles, enquanto eu absolutamente amo alguns vinhos que só marcou na parte inferior a 80.

Eu vou continuar estudando, e prolongando a minha exposição aos sabores do vinho.

Anônimo disse...

Quase sempre discordo frontalmente de seus artigos. Você simplesmente nao respeita tudo o que envolve essa magica bebida e, talvez por isso, tenha perdido suas colunas e entrado no hall de "persona non grata" em muitas confrarias de São Paulo.

Ja não bastava chacotar dos serios profissionais da nossa área, agora mirou sua desastrada metralhadora para nada mais nada menos que os degustadores profissionais.

Pontuação importa e muito meu caro. Aqueles que são influenciados como você diz por fatores além do "beber o vinho" deveria sair do negócio e tentar as cervejas em promoção nos mercados da vila.

Em relação ao inicio desse seu ruim texto, a pessoa ao longo do tempo sabe entender o paladar de um avaliador profissional. Nem todos são limitados. É claro, variações menores devem ser antecipadas em termos de condições da prova.

O ato da degustação de vinhos não tem por objetivo diminuir a qualidade de um ou aumentar a qualidade do outro, ou sequer fazer testes com consumidores. Um grau significativo de objetividade pode ser alcançada através de tecnicas facilmente aprendidas em bons cursos de degustação.Seja nas pequenas ou grandes lojas de vinho.

Zainer Araujo disse...

Obrigado a todos os leitores pelas postagens. Fiquem sabendo que todas são publicadas sem nenhum tipo de censura.

Meu amigo anonimo: Você escreve: "Pontuação importa e muito meu caro. Aqueles que são influenciados como você diz por fatores além do "beber o vinho" deveria sair do negócio e tentar as cervejas em promoção nos mercados da vila."

Esta é sua opnião, e a minha resposta é aquela que você já sabe: Nada na vida é perfeito.

Ao que parece, voce está bem além da fase inicial dos enófilos. Claramente, você sabe do que gosta (e que não gosta desse blog - rs) e pode reconhecer as qualidades em um vinho.

No entando,permita-me sugerir que este tipo de postura geralmente se aplica - a todos nós, devo acrescentar - para os vinhos com os quais estamos mais familiarizados, com as quais nós já definimos uma preferências. Degustadores mais experientes podem facilmente determinar, pelo menos para os seus tipos de vinho preferidos, o que eles gostariam de comprar. No entanto, como todos sabemos, muitos amantes do vinho, que têm comprado por um tempo os mesmos vinhos, hoje podem achar que tiveram uma opnião equivocada. Seus gostos podem ter mudado e o vinho muda a cada dia. Uma garrafa sempre é diferente da outra. Mas às vezes é uma questão de saber mais e melhor sobre o vinho em sí e que se conquista ao longo do tempo - "conhecimento pela exposição" ao invés do bla-bla-bla de um vendedor ou revista.

Vale a pena experimentar